Projeto de doutorado aprovado


De outubro passado até maio deste ano, estava refinando o meu campo de pesquisa para o doutorado. O meu foco de interesse é estudar a emergente cultura digital e as suas consequências na sociedade contemporânea. Orientado pelo professor Anthony Lobo, de outubro até dezembro, fiz uma viagem ao universo de alguns autores que pesquisam a revolução digital em curso. Destacamos aqui Henri Jenkins, Nicholas Carr, Turkle, Piérre Levy, Derrick de Kerckhove e, por último, Manuel Castells.

Por se tratar de um tema em ebulição, que se reformata constantemente, a sugestão do orientador foi a de que eu escolhesse um autor principal, e nele direcionasse meu foco em um dos fenômenos da revolução digital em curso. Por vários motivos, optei pelo sociólogo espanhol Manuel Castells e, dentre os seus diversos estudos sobre a sociedade na era da internet, escolhi o conceito mass self-communication (autocomunicação de massa).

O conceito “autocomunicação de massa” traduz o maior fenômeno que estamos vivendo no reino da cultura digital, porque, pela primeira vez na História, cada um de nós pode acessar, selecionar e compartilhar informação com uma pessoa ou com milhares de pessoas, de qualquer lugar do planeta, através do nosso próprio canal de comunicação (Twitter, YouTube, etc.).

Estamos em um encruzamento “tsunâmico” entre a comunicação de massa de Laswell - vertical, centralizada e passiva, aquela que teve o seu auge no século XX e a emergente autocomunicação de massa de Castells, aquela que marcará profundamente o Século XXI, caracterizada por uma audiência ativa, horizontal e interativa.

Diante desse novo paradigma de Comunicação, o autor preferencial do meu estudo, Manuel Castells acrescenta que, “nos últimos anos, a mudança fundamental no domínio da comunicação foi a emergência do que chamei de autocomunicação de massa - o uso da internet e das redes sem fio como plataformas da comunicação digital” (Castells, 2013, p. 15).

No mesmo binário, defende Jenkins, a comunicação digital descentralizada, horizontal e interativa define a postura do novo sujeito comunicativo e, portanto, do novo ecossistema comunicacional contemporâneo (Jenkins, 2009).

Pensando em ser professor na área de comunicação, escolhemos como objetivo externo da tese doutoral, verificar a influência do fenômeno da autocomunicação de massa entre os estudantes de três faculdades na área de comunicação, isto é, o que muda e qual é o novo "perfil" estudantil, quando todos passam a ter acesso ao conteúdo nas mídias sociais digitais; quando todos têm a autonomia de selecionar e publicar conteúdo nos seus próprios meios de comunicação (Blog, Facebook, YouTube).

GRATIDÃO

Após essa longa caminhada, de sacrifícios e desafios, quero render, em primeiro lugar:
- gratidão a Deus por tudo;
- gratidão ao professor Lobo, pela paciência e bravura no modo como me orientou ao longo do processo;
- gratidão à professora Paola Piccini, pelo seu espírito sereno e sábio de nos orientar na parte metodológica do projeto;
- gratidão à Faculdade de Ciências da Comunicação da Universidade Pontifícia Salesiana, na pessoa do Caríssimo Decano Prof. Peter Gonsalves;
- gratidão ao Ufficio Sviluppo e Relazioni Pubbliche dell’Università Pontificia Salesiana, pela bolsa estudos;
- gratidão à Diocese de Mossoró, na pessoa do querido Bispo Dom Mariano Manzana.
Enfim, gratidão à minha família e a todos os meus amigos e amigas, pela companhia, oração e amizade.

x

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONVITE - Festa de Nossa Senhora de Fátima 2014

Por que um meio de comunicação quente é frio? McLuhan explica.

Redes socias x comunidades virtuais. Qual a diferença?