Por que um meio de comunicação quente é frio? McLuhan explica.

Para início de leitura, frisamos que pode haver uma inversão quanto à compreensão dos conceitos “quente” e “frio”. Na percepção do Senso Comum, um meio quente é aquele que requer mais feedback, mais interação. Uma música, por exemplo, é quente, ao proporcionar mais movimento, exigindo do dançarino, mais agitação. Já um meio frio ocorre de forma inversa: a pessoa não participa, não se envolve. Pode dá-se, também, em uma comunicação linear, de cima para baixo. 

De acordo com McLuhan, um meio é quente, ao apresentar alta definição, processando a mensagem de forma completa, sem haver necessidade de nenhum esforço por parte do usuário. A título de ilustração, podemos perceber que uma fotografia de alta definição se torna perfeita, visto que processa o maior número de dados, enquanto que um desenho, ou uma caricatura de baixa definição, fornece pouca informação, carecendo, assim, de uma atenção dobrada da pessoa que visualiza um ou outra. Sobre os meios quentes e frios, McLuhan ressalta que “Um meio quente permite menos participação do que um frio: uma conferência envolve menos do que um seminário, e um livro menos do que um diálogo… A forma quente exclui e a forma fria inclui” (p. 39).

Seguindo esse viés, McLuhan cita outros exemplos de meios quentes, quais sejam o alfabeto, a rádio e o cinema. Em relação aos meios frios, apresenta, também, o telefone, a tevê, a fala e a escrita hierográfica, considerando-se que são fornecidas lacunas para que o usuário complete as informações, a fim de obter uma informação mais acurada. 
                
Dando continuidade, McLuhan discorre sobre a invenção da imprensa, que, no Século XVI, aqueceu o meio da escrita, conduzindo ao nacionalismo e às guerras religiosas. Dessa forma, a alta definição de um meio produz a fragmentação ou a especialização: uma hierarquia feudal e tribalizada entra em colapso, quando se defronta com qualquer meio quente do tipo mecânico, uniforme e repetitivo. Por outro lado, a era da eletricidade, diferentemente, contribuiu “para restaurar os padrões tribais de envolvimento intenso… As tecnologias especializadas destribalizam. A tecnologia elétrica retribaliza” (p. 40)

Outra comparação entre frio e quente que McLuhan realiza é em relação aos países desenvolvidos e subdesenvolvidos - os países ricos são quentes; os pobres, frios. No que tange às pessoas, destaca que, aquela que dispõe de alta cultura é quente, ao passo que a rústica, do interior, é fria. O referido autor ainda ressalta que, aplicar um meio quente, como a rádio, a culturas frias ou não letradas, provoca um efeito violento. 

Tem sentido, portanto, a afirmação acima, haja vista que percebemos, com frequência, pessoas tomarem como verdade certas informações, pelo simples fato de terem sido comunicadas por uma autoridade, ou por um determinado jornalista: "É verdade, saiu no rádio", diz, com convicção, o cidadão não letrado. Tal situação acontece, também, com aqueles indivíduos fechados em suas verdades e nas verdades dos outros, dogmatizados, que não questionam suas percepções, nem as dos outros. 

Concluindo, as redes sociais digitais na percepção mcluana seriam um meio frio porque pede alto grau de interação do usuário. Na rede, quanto mais participação, maior é o volume de informação sobre o tema em questão. A cultura digital seria uma expansão dos efeitos introduzidos pela era eletrônica, que chega retribalizando a sociedade, transformando o mundo numa aldeia global, ou aldeias glocais, por meio da criação de redes descentralizadas e envolventes.

As redes sociais digitais, pois, na percepção mcluana seriam um meio frio, porque exigem um alto grau de interação do usuário. Na rede, quanto mais participação, maior é o volume de informação sobre o tema em questão. Assim, a cultura digital seria uma expansão dos efeitos introduzidos pela era eletrônica, que chega retribalizando a sociedade, transformando o mundo em uma aldeia global, ou aldeias glocais, por meio da criação de redes descentralizadas e envolventes.


MCLUHAN Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem (understanding media). São Paulo: Cultrix, 1964.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONVITE - Festa de Nossa Senhora de Fátima 2014

Comunidade x Sociedade