Por que o padre tem partido?

Pra início de conversa, não é uma ofensa, ao contrário, uma honra. Prefiro mil vezes ser confundido com um militante do PT a ser confundido com um militante do DEM, do PMN ou qualquer outro partido.

Escrevo isso porque, ultimamente, quando faço qualquer comentário político nas redes sociais, algumas pessoas me taxam de petista. Em parte, tem razão, porque, entre as dezenas de ideologias partidárias, aquela que mais me identifica ainda é a do Partido dos Trabalhadores. Mesmo quando não entendia nada de política, eu já votava no PT. 

Por ter sido ordenado padre, não passei uma borracha no meu cérebro pra apagar minhas convicções ideológicas. Não acredito em ser humano neutro: nem padre, nem juiz, nem professor, nem babá. Serei neutro somente no caixão. E olhe lá!

Não sou um padre neutro porque busco ser discípulo de um Mestre que morreu na cruz por nunca ter sido neutro. Jesus foi condenado e crucificado pelo poder romano porque tomou partido, ficou do lado dos pobres. Diante de um reino que excluía a maioria do povo, Jesus chega e implanta um Reino Novo, um Reino que inclui todas as pessoas, preferencialmente, os mais pobres. E mais. Ele não só ficou do lado da massa excluída de Israel, mas denunciou profeticamente os abusos do poder romano e religioso.

Como outrora, hoje, muitas pessoas continuam se comprometendo com o partido de Jesus, libertando as pessoas e lutando por um mundo menos desumano e com menos desigualdade social. A Igreja é o lugar privilegiado de sensibilizar o povo para abraçar a causa de Jesus. Porém, é na Política (com "P" grande, não apenas partidária) que essa causa cria assas.
Dizia o papa Paulo VI: “a política é a forma mais sublime de exercer a caridade”.

Não existe ser humano que não faça política. Fazemos política ou por omissão, ou por participação. O “ser” padre em mim não anula o meu “ser” político, a minha cidadania, ao contrário. O voto é uma das formas, talvez a mais simples, de exercer a cidadania. O título de eleitor do padre não é de mentirinha.
     
Até que apareça outro partido menos ruim do que o PT, continuarei votando no Partido dos Trabalhadores. Confesso que já tive mil razões pra votar nele. Hoje, invés, quando vejo a corrupção intoxicando as cabeças pensantes do PT, não me motiva mais reacender aquela estrela que me levava a vestir a camisa e defender com garra as ideologias do meu partido. 

É evidente. O poder corrompeu o PT e causou escândalo nas pessoas que imaginavam um partido vacinado contra a corrupção. Claro, pura ingenuidade. Se todo ser humano é corrompido pelo pecado, logo… 

Não obstante tudo, o PT nos últimos anos foi o partido que melhor fez pelos mais pobres do nosso país. Não é demagogia, os dados oficiais estão aí, dezenas de milhões de brasileiros saíram da miséria. Isso é apenas um fio de cabelo de muitos outros programas sociais que estão, pouco a pouco, mudando a cara do nosso país.  
Enquanto os outros partidos governavam privilegiando a elite do país, deixando a massa excluída na periferia dos seus discursos e projetos, o Partido dos Trabalhadores – com todas as suas mazelas e contradições – coloca como uma das suas prioridades, a erradicação da miséria.

Somente isso me basta pra continuar tendo ainda esperança no PT. No dia em que aparecer outro partido com um programa de governo mais inclusivo e que cuide melhor dos pobres do que o governo atual, mudarei rapidinho, com muito prazer. 

Como cidadão, não sou um petista radical, fechado, como alguns pensam. Busco ser flexível e dialogar com todos. Sei reconhecer o “bom” que existe em cada partido, em cada pessoa. O processo de amadurecimento espiritual, humano e político dá-se na abertura e no diálogo com a diversidade.

Sou padre de uma Igreja com pessoas de várias linhas de espiritualidades, de carismas diversos, bem como, com pessoas de várias ideologias políticas.
A Igreja, portanto, é essa grande mesa, da comunhão e da participação, onde, na diversidade de carismas e ideias, todos nos tornamos irmãos e irmãs, ninguém é excluído. 
Pelo menos, este é o sonho de Deus, que é, também, nosso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONVITE - Festa de Nossa Senhora de Fátima 2014

Por que um meio de comunicação quente é frio? McLuhan explica.

Comunidade x Sociedade