Reconstruir o Natal


No período natalino, somos bombardeados por todos os lados com o natal do consumismo, da compra compulsiva, das fantasias. 
Enfeitamos o nosso exterior, as nossas ruas e esquecemos de iluminar as paredes internas do nosso ser, da nossa alma.

Por isso, somos convidados a reconstruir em nós mesmos o verdadeiro sentido do Natal. 
  • Não deixemos que o Papai Noel das grandes "marcas" do mercado invada o espaço da manjedoura, onde habita Deus Menino. 
  • Não deixemos que a ânsia de comprar e ganhar presentes sufoque o sorriso, a inocência e a ternura do maior presente que Deus nos deu: JESUS. 
  • Não deixemos que o rei Herodes dentro da gente destrua o Rei-Menino de Belém que espera nascer e crescer na casa do nosso coração, da nossa comunidade e na casa da nossa família.

Queremos sim, que o Natal cristão ocupe lugar central em nossa vida. Nele, Deus Menino nos ama como uma criancinha ama sua mãe. A partir da manjedoura, Deus divinizou a humanidade, através da simplicidade, da ternura, do perdão e da paz, que Ele mesmo semeou no coração da gente.

Com a tenda de Deus Menino no meio de nós, os pobres passam a ter vez e voz, a ter dignidade e valor, as portas dos sonhos se abrem e todos passam a ter mil razões pra viver.

Por isso, vamos cantar juntos as alegrias do Natal, da Vida nova que brota dentro da gente e reconstruir em nós a ternura, a simplicidade e a afabilidade da Criança de Belém; deixar aflorar em nós a veia poética, mística e afetiva e com ela irradiar as pessoas que estão ao nosso redor.

É Natal. É hora de ternura, de compaixão, é hora de desejar paz pra todos e invocar a justiça, o amor e a ternura de Deus Menino sobre todos nós, sobre nossas famílias e amigos e sobre o nosso país.
FELIZ NATAL a todos e todas e um abençoado e próspero 2013.
Que o Pai Criador nos abençoe.
Com afeto,
Talvacy Chaves

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CONVITE - Festa de Nossa Senhora de Fátima 2014

Por que um meio de comunicação quente é frio? McLuhan explica.

Comunidade x Sociedade