Pe. Guido: o homem da caridade, um exemplo de padre em escassez

Pe. Guido Tonelotto, nasceu em Corcordia, província de Veneza, Itália, no dia 3 de fevereiro de 1920. Filho de José Tonelotto e da Costureira Maria Sandro, ambos naturais da Itália. De uma família de três irmãos, Guido entrou no seminário com 12 anos de idade, concluiu os estudos de filosofia e teologia no instituto Salesiano em Pádua, e, em 1948, foi ordenado padre pela Congregação Salesiana.

Chegou ao Brasil em 1955, para assumir a direção do Colégio Salesiano de Carpina - PE. Em 1958 foi enviado a região norte do país. Lá dirigiu o Colégio Salesiano de Belém e Manaus. Desempenhando seu ministério com zelo sacerdotal, Pe. Guido foi convocado por seus superiores para retornar à Roma, onde dirigiu o Centro de Formação de Leigos para América Latina.

Convicto de sua paixão pelos pobres, especialmente, pelas crianças marginalizadas, volta para o Brasil em 1973. A convite de Dom Gentil, assume a paróquia de Martins em 1978. Quatro anos depois, transfere-se à paróquia de São José em Mossoró.

Sensível às crianças de rua, fez em pouco tempo, da sua casa, o aconchego das crianças abandonadas de Mossoró. Com um coração de Mãe, ele oferecia para elas amor, comida, roupa, acompanhamento psicológico e atividade esportiva. Assim nascia o Projeto Esperança, a maior obra social voltada para os pobres daquela época.

O Santo do dia

De 1993 a 1994 vivendo no seminário, pude sentir e beber um pouco da santidade de pe. Guido. Toda terça-feira, às 6h da manhã, ele chegava acompanhado por dois coroinhas para presidir a missa. Entrava na capela, nos cumprimentava de forma paterna e amiga, sentava e começava a contar uma história de algum santo, geralmente, o santo do dia.

O que nos impressionava era a forma como ele falava dos santos. Era como se ele os conhecesse pessoalmente, dizia os mínimos detalhes. Ainda guardo na memória fortes cenas contadas por ele, da vida de São Domingos Sávio, São Francisco de Assis e Santa Teresinha do Menino Jesus.

Seu jeito simples, sereno e fraterno nos encantava. Todos nós seminaristas tínhamos nele, o modelo de padre que gostaríamos de ser. Recordo também, dos presentes que ele frequentemente trazia. Eram camisas da Itália. Aqueles presentes, recebidos pessoalmente de Pe. Guido, eram um orgulho para cada seminarista.

Essa característica sublime de partilhar tudo o que tem é uma virtude em extinção na vida de nós padres. Por isso, o seu testemunho, o seu desprendimento, o seu zelo pastoral, a sua fidelidade ao Evangelho e, acima de tudo, a sua vida a serviço das crianças abandonadas de Mossoró nos impelem a assumir com coerência a nossa missão.

Despedida

Há seis anos, pe. Guido sofreu um AVC (Acidente Vascular Cerebral) e, desde então vinha recebendo assistência do fruto do seu trabalho: jovens que foram assistidos por ele desde criança e também, de amigas que, segundo ele, se tornaram suas irmãs do coração, como: Edir Moura e Elizabete Negreiros.

Pe. Guido, 89 anos, faleceu hoje em Mossoró. O velório acontece na Igreja São José. Amanhã, às 7h30, Dom Mariano preside a missa de corpo presente e em seguida será sepultado ao lado de Monsenhor Américo, na Capela do Cemitério de São Sebastião.

Obrigado pelo seu testemunho. Contamos com a sua intercessão.
Um abraço de um dos seus admiradores,

Talvacy Chaves, Pe.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONVITE - Festa de Nossa Senhora de Fátima 2014

Por que um meio de comunicação quente é frio? McLuhan explica.

Redes socias x comunidades virtuais. Qual a diferença?