Foi no dia 29 de Junho de 1998



O que pode provocar a transformação na vida de uma família? A morte de um avó, de um primo ou de um irmão e coisas dessa natureza. Isso é fato.

Do outro lado da história, a tranformação pode vir através de muitas outras formas. Uma que vivi e que a considero eficaz é por meio do nascimento de um filho ou um neto. Falo e testemunho essa transformação em minha familia com o nascimento da minha sobrinha, Paula Ariadna, no dia 29 de junho de 1998.

Quem é Paula Ariadna?

Ela é filha de Evanda Maria de Freitas e Ariosvaldo Nogueira Chaves. Sua mãe, filha do casal Abraão e Nucy e o seu pai, filho do Sr. Antonio Nogueira e D. Egídia. Paula Ariadna é uma pessoa serena, educada e determinada. É sociável, comunicativa e revestida de um forte caráter. É sensível e humana; tem um zelo e paixão pelos estudos.. É dotada de uma beleza exterior e interior e portadora de uma sabedoria que a faz discernir de forma inteligente aquilo que melhor lhe convém.

Contexto

Paula nasce em um período no qual nossa família vivia perdas terríveis. Entre 1997 e 1998 faleceram vovô materno e vovó paterna. Ambos de forma muita rápida e inesperada. Eu estudava em João Pessoa-PB; Gilvany se recuperava de fases escuras vividas em São Paulo; Mamãe ainda chorava muito e viviainconformada com a doença do seu pai que o causou a morte repentina; papai, no seu misterioso silêncio, sofria a recente perda da sua mãe. Ela faleceu no dia 24 de junho e Paula nasceu cinco dias depois.

mudança

Com a chegada de Paula, recomeça uma nova fase. No meio de sentimentos de perdas e de morte, aquele bebê fez resurgir a alegria da vida nova, renasceu a esperança no coração da família, a luz voltava a brilhar dentro de cada um. Ela era o encanto da família. Todos queriam tocá-la, beijá-la, vê-la. O clima já não era o mesmo.

Aqui destaco a importância de Paula, sobretudo, para a mamãe Nucy. Ela que sofreu mais do que todos com a perda do seu pai, não houve resposta melhor como cura para essa lacuna, do que o presente da primeira neta em sua vida. Mamãe transformou-se completamente, passou a sorrir como antes e, naturalmente, se estourava de alegria quando estava segurando sua netinha. Evanúzia, José e Edilson puderam apreciá-lo de perto esse fenômeno porque naquele período eles ainda viviam com nossos pais.

Saudades e aventuras

Eu, por estudar, naquela época, em João Pessoa, só podia vê-la no período de férias. É impressionante dizer, mas foi, sobretudo, naquele período de seminário em que passei a sentir mais saudade de casa por causa da ausência e do desejo de ver a sobrinha. Durante as férias sempre buscava um tempo para estar com ela, passear, brincar, andar no meio da roça, na lama, na chuva. Parece coisa de louco, mas eu achava belo quando me chamava de “ti tio, oh tio, ti tio”. Assim me chamava quando encontrava algum obstáculo: um buraco no caminho, um garancho ou qualquer outra dificuldade. Talvez nada disso ela ricorda porque tinha, penso, dois ou três anos. Alguns momentos pude resgistrar com fotografias e filmagens, como por exemplo, o primeiro ano de vida, outro registro foi uma manhã de inverno, com a terra encharcada no caminho do açude de vovô e alguns outros momentos. O que mais me impressionava era ver uma criança que mal sabia andar e já revelava uma coragem tremenda para enfrentar os desafios, como por exemplo, andar na lama, descer ladeira cheia de pedras e buracos, tomar banho sozinha na sangria do açude do bisavô, montar no jumento, correr atrás do gado e tantas outras aventuras que pude testemunhar no pouco tempo que vivi ao seu lado.

Para ela, andar à casa de vovò e vovô do sítio era entrar nesse mondo de aventuras, uma vez que, na casa dos seus pais na vila, não tinha esse espaço aberto e todas essas belezas da casa do campo. A sua vó, por outro lado, deixava-a fazer tudo, dava toda a liberdado do mundo. Afinal, a primeira neta na vida de uma vó é como o primeiro filho e por isso, a vó faz de tudo para agradar e estar pertinho da neta.

Paula em São Paulo

Pois é, por que ela vai bater em São Paulo? Para nós nordestinos, São Paulo foi o lugar de refúgio e de esperança. O descaso político, a falta de emprego, a seca e tantos outros aspectos motivavam os jovens, casais a abandonar seu lugar e família e viajar para São Paulo. Paulinha também viveu essa experiência. Juntamente com seus país morou em São Paulo por algum tempo. Não foi fácil para seus avós paternos e maternos e como também, para os seus tios e tias. Durante esse período, todos nós torciamos pela sua volta. Recordo com saudade quando a vi no período em que voltou de São Paulo. E aí, todos nós queríamos ouvir Paulinha contando sua experiência em São Paulo. Para ela que vivia na vila, tudo foi novidade o mundo vivido na grande capital. Falava de suas amiguinhas do bairro onde morou, da sua casa, dos passeios nos parques e tantas outras coisas.

Aíííí garoooota!!!

Era a expressão que eu usava diante de qualquer atitude inteligente e educativa que ela fazia. Sempre tive a curiosidade de saber que programa de tv ela assistia. Algumas vezes, sugeri os canais educativos e dizia que as crianças inteligentes assistem à tv cultura e outros nessa linha. Somos sabedores que a maioria dos programas da globo, sbt, rede tv, etc, são destruidores de cultura, de valores e provoca seguelas profundas na formação e na vida das crianças. E aqui destaco com orgulho a escolha livre que Paula fez por canais educativos. Digo isso, porque ela poderia muito bem entrar na onda da moda, ser influenciada pelas suas coleguinhas, ou seja, assistir aos programas de Xuxa, Angélica e tantos outros de baixo valor educativo e cultural. Ela tinha o prazer de contar-me o nome dos programas, narrar as histórias dos desenhos animados, o que tinha aprendido...

Também, sempre quis saber que livro estava lendo, que nota obteve na escola. Penso que nós, seus tios, vivemos na pele a falta que faz a ausência do hábito da leitura na infância. Por isso, busquei sempre motivá-la para a leitura e assim poder traçar um percurso acadêmico com menos dificuldade.

O desejo do seu tio no seu aniversário

Hoje, no dia em que Paulinha aniversaria, gostaria de desejar-lhe uma vida cheia de motivações e de razões para viver.

- Que ela possa encontrar nos estudos (conhecimento) a porta para a maturidade, para a liberdade e para uma vida digna, justa, saudável e feliz.

- Que ela preserve sempre a humildade, ame para sempre seus pais e suas raízes e seja sensível e vizinha dos pobres, das crianças e dos idosos..

- E por último, saiba que mesmo distante, vivendo no velho mundo, estarei sempre rezando e torcendo pela sua vida, seus estudos, seus futuros projetos e, sobretudo, pela sua felicidade.

Meus parabéns!! Deus lhe abençoe.

Com afeto e saudade,

Seu tio padre que te ama,

Talvacy..

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONVITE - Festa de Nossa Senhora de Fátima 2014

Por que um meio de comunicação quente é frio? McLuhan explica.

Comunidade x Sociedade